Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal

O Banco de Cabo Verde  apresenta à imprensa o Relatório de Política Monetária  no dia 8 de Novembro, às 09:00 horas. O Relatório retrata a evolução da situação económica e financeira nacional nos últimos seis meses e projecta os próximos seis meses.

 

 

De acordo com a Lei Orgânica do Banco de Cabo Verde (B.O nº 21 I série de 15 de Julho de 2002) “o Banco central deve entregar semestralmente ao Governo a descrição e a explanação das razões da política monetária a ser seguida nos próximos 6 meses e uma revisão e avaliação da política do Banco implementada durante o período correspondente ao último semestre.”

 

O Banco de Cabo Verde tem por missão ou atribuição principal assegurar a manutenção da estabilidade de preços. Como objectivo secundário, compete ao Banco promover a liquidez, a solvência e o funcionamento adequado de um sistema financeiro assente na estabilidade do mercado de forma compatível com o objectivo principal.


O Banco de Cabo Verde deve desempenhar ainda as seguintes funções:
• colaborar com o Governo na definição da política monetária e cambial visando alcançar e manter a estabilidade de preços;
• executar de forma autónoma a política monetária e cambial de Cabo Verde;
• deter e gerir as reservas de câmbio oficiais do País e agir como intermediário nas relações monetárias internacionais do Estado;
• assessorar o Governo em assuntos de natureza financeira.
No âmbito da execução da política monetária e cambial compete ao Banco orientar e supervisionar os mercados monetário, financeiro e cambial, cabendo-lhe entre outras funções:
• regular o funcionamento dos mercados monetário, financeiro e cambial, adoptando providências genéricas ou intervindo, sempre que necessário, para garantir o cumprimento dos objectivos da política económica, em particular no que se refere a evolução das taxas de juro e de câmbio.
• exercer a supervisão das instituições de crédito e parabancárias, nomeadamente, estabelecendo directivas para assegurar os serviços de centralização de riscos de crédito;
• exercer a supervisão da actividade seguradora, resseguradora, de mediação de seguros, de fundos de pensões e de actividades conexas ou complementares.